quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Borboleta - Ao crepúsculo...


CREPÚSCULO

Teus olhos, borboletas de oiro, ardentes
Borboletas de sol, de asas magoadas,
Poisam nos meus, suaves e cansadas,
Como em dois lírios roxos e dolentes....

E os lírios fecham... Meu amor não sentes?
Minha boca tem rosas desmaiadas,
E as minhas pobres mãos maceradas
Como vagas saudades de doentes...

O Silêncio abre as mãos ... entorna rosas...
Andam no ar carícias vaporosas
Como pálidas sedas, arrastando...

E a tua boca rubra ao pé da minha
É na suavidade da tardinha
Um coração ardente, palpitando...

(Florbela Espanca )

3 comentários:

Anónimo disse...

És a fotografa amadora mais profissional que conheço... Os teus "olhares soltos" estão cada vez mais profundos. Adorei a foto... Adorei o texto... Bem estou a tornar - me uma fã deste blog. Está a ser interessante ver através do teu olhar... Já estou curiosa para ver o que o amanhã do "Olhares Soltos" nos reserva... Uma beijoca
Ass. Milkita

AA disse...

Ainda bem que gostaste do texto e da foto...:)
Espero que continues a visitar o "olhares soltos" e que também consigas ver com outros olhos o mundo que nos rodeia, mais precisamente, a beleza da natureza...

Beijos,

AA

Maria disse...

Um excelente poema de Forbela Espanca. Não mmenos bela é a imagem que o acompanha.

Beijoquinhas *.*